Quinta, 21 Setembro 2017

Araci

Caravana da Ouvidoria orienta como fiscalizar os gestores públicos de Araci

A participação no 3º Congresso Estadual de Rádios Comunitárias, evento promovido pela Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária (Abraço), em Feira de Santana, rendeu ao ouvidor adjunto do TCE/BA, Paulo Figueiredo, um convite da direção da Rádio Comunitária Cultura FM 104,9 MHZ, no município de Araci, para participar do programa Bom dia, Cidade!, apresentado pelo radialista Acilon de Oliveira, com comentários de Zé Socorro.

Na oportunidade, o ouvidor explicou para cerca de 30 mil ouvintes qual é o trabalho desenvolvido pelo TCE/BA e como os cidadãos podem ajudar a fiscalizar as contas dos gestores municipais e estaduais. Figueiredo respondeu todas as perguntas feitas pelos ouvintes e reafirmou o compromisso da Corte de Contas baiana em investir no diálogo e na transparência.

"Esse trabalho de conscientização é essencial para tirar o mau gestor de circulação. E o cidadão é o personagem principal. Mas é preciso se organizar e encontrar o caminho certo para registrar as suas demandas. Hoje estamos aqui para dizer que a Ouvidoria tem o papel de fazer essa ponte, ouvindo as denúncias e avaliando as informações que, certamente, vão nos ajudar a fiscalizar a aplicação dos recursos utilizados pelos gestores”.

Figueiredo descreveu o passo a passo do acesso à Ouvidoria no site do Tribunal e divulgou outros canais de comunicação, como o 0800 284-3115 e o WhatsApp 71 99902-0166. "A intenção é informar a sociedade de que quanto melhor se controlam os recursos públicos, maior a possibilidade de utilizá-los para benefício da sociedade", afirmou.

Para Zé Socorro, as informações são fundamentais para situar os ouvintes em relação aos seus direitos e deveres. "Com certeza, os nossos ouvintes saem mais conscientes. A partir de agora, ele sabe como entrar em contato e como registrar sua denúncia. Não tem mais desculpa. Os maus gestores precisam pagar pelos seus desmandos. O que não pode é deixar o dinheiro descer pelo ralo", concluiu.

Para o radialista Acilon de Oliveira, o projeto casa perfeitamente com o momento em que o País está sendo passado a limpo. "A população precisa ter acesso a mecanismos para fiscalizar e canais de comunicação para denunciar. Muitas pessoas ainda têm medo de retaliação e de serem perseguidas. Ess

Quinta, 21 Setembro 2017