Ir para o conteúdo

Autenticação

Lideranças planejam novo ciclo de gestão do TCE/BA

 

consultorO Tribunal de Contas do Estado da Bahia (TCE/BA) vai entrar em mais um ciclo de gestão, definindo diretrizes sólidas para o Plano Estratégico 2018/2021. Para tanto, os líderes do Tribunal estão aproveitando as experiências exitosas do Plano Estratégico anterior e fazendo os ajustes necessários ao cenário almejado para um controle externo eficaz. Foi o que ficou definido nesta segunda-feira (17.07), primeiro dia do evento de Elaboração do Planejamento Estratégico 2018/2021, realizado no Gran Hotel Stella Maris Resort & Conventions, Praia do Flamengo, Salvador.

Aberto oficialmente pelo presidente do TCE/BA, conselheiro Inaldo da Paixão Santos Araújo, o encontro está construindo o documento que norteará as ações da Corte de Contas baiana nos próximos quatro anos. O conselheiro-presidente ressaltou que, nesta fase de elaboração do PE, é fundamental aprender com as experiências anteriores, destacando os grandes avanços da Casa de Contas e Controle.

“OTCE/BA entrará no próximo quadriênio com conquistas importantes, a exemplo do julgamento mais célere dos processos de contas e o aumento na realização de auditorias tempestivas”, disse o presidente. Ele elencou os avanços, a exemplo da redução em 50% no estoque total de processos, do aumento de 64% no recolhimento de multas e débitos aplicados, da implantação do processo eletrônico, do incremento de 24% das manifestações recebidas pela Ouvidoria e dos programas de envolvimento com o cidadão, a exemplo do TCE em Campo, Ouvidoria vai à escola, Casa Aberta e Caravana da Ouvidoria, dentre outros.

presidenteSobre o conturbado cenário político e econômico do País, o presidente Inaldo Araújo lembrou que não há mais nada desafiador para o sistema Tribunais de Contas do que o momento de crise. “Muito foi feito! Mas nosso desafio, nesse momento, é pensar que Tribunal queremos ter ao final do quadriênio 2018/2021. Nosso país passa por uma das piores crises político-econômicas de sua história. O cenário no qual estamos inseridos torna nossa tarefa mais desafiante, mas certamente não impossível!”, salientou.

Em seguida, o consultor João Orlando Vian conduziu uma dinâmica com base em três situações dos TCs para o quadriênio 2018/2021: os cenários Dinamarca, Facebook e Mariana. A partir daí, convidou os gestores do TCE/BA a projetar um novo panorama, pinçando de cada cenário as situações factíveis para o novo quadriênio no TCE/BA. O resultado foi um rico debate sobre os aspectos políticos, econômicos e de gestão envolvendo o Sistema Tribunais de Contas. Depois abriu-se espaço para a revisão da missão, valores e visão de futuro do TCE/BA.

interaçãoO evento, sob a coordenação da auditora Ivonete Dionízio, diretora do Ceice, contou ainda com a presença dos conselheiros Gildásio Penedo Filho, vice-presidente do TCE/BA; Antonio Honorato (corregedor), Pedro Lino, Marcus Presídio, João Bonfim e Carolina Costa; da chefe de Gabinete da Presidência, Cláudia Colavolpe; do procurador Maurício Calleffi (MPC), do superintendente técnico, José Raimundo Bastos Aguiar; do chefe da Atej, Wendel Régis; do ouvidor adjunto, Paulo Figueiredo; do chefe da Audit, Daniel Arruda; do secretário-geral, Luciano Chaves de Farias; do diretor do Cedasc, Edmilson Galiza; da diretora Administrativa, Veralucia Oliveira Lima; da diretora da ECPL, Denilze Alencar Sacramento, e dos coordenadores das CCEs.

DEPOIMENTOS

 

“Hoje estamos todos aqui com um propósito em comum. A proposta é ter um Tribunal que responda e atenda bem aos anseios da sociedade. Hoje vamos traçar um planejamento estratégico a fim de repensarmos a gestão e melhorarmos nossos processos de modo que tenhamos auditorias e respostas mais tempestivas para a sociedade. Tenho certeza de que vamos sair daqui com uma bússola. Vamos definir os próximos quatro anos de gestão no TCE/BA, diante do cenário atual do Brasil e da Bahia. Para tanto, traçaremos as diretrizes necessárias para que possamos chegar aonde almejamos". 
Ivonete Dionízio, auditora do TCE/BA.

“Quanto mais os líderes se envolvem com o Plano Estratégico, quanto mais o presidente se envolve com isso, há mais chances de o trabalho ter resultado satisfatório. É otimista o TCE/BA estar seguindo a mesma linha focada e precisa. Tenho certeza de que, dessa forma, o Tribunal terá um resultado positivo. Um trabalho como este busca analisar o futuro, os cenários futuros no setor dos Tribunais de Contas do País. O cenário atual é definitivo para definir o Plano Estratégico".
João Orlando Vian, consultor responsável pelo Plano Estratégico 2018/2021 do TCE/BA.