Ir para o conteúdo

Autenticação

Boleto on-line facilitará pagamento e controle de multas e títulos executórios do TCE/BA

 

siscobraA partir de agora, o Tribunal de Contas do Estado da Bahia (TCE/BA) passa a emitir boletos de cobrança com código de barras para pagamento das multas e dos títulos executórios (penalidades pecuniárias impostas pela Corte de Contas). A integração do SisCOBRA com o sistema de cobrança do Banco Bradesco oferece maior eficiência, segurança, rastreabilidade e efetividade ao controle das operações financeiras de arrecadação de receitas próprias da Corte de Contas baiana. A próxima meta é disponibilizar, em breve, o serviço de geração de boletos para os cidadãos e os jurisdicionados na internet.

Com tecnologia desenvolvida pela unidade de tecnologia da informação do TCE (Cedasc), a novidade, além de facilitar a identificação, a cobrança e o controle dos débitos, traz mais comodidade também para os gestores na hora de fazer os pagamentos devidos. Antes do boleto on-line, o gestor multado precisava se deslocar ao Tribunal para emitir uma guia e comprovar a quitação. Com a nova dinâmica, a instituição financeira comunica o pagamento à Corte de Contas assim que for efetuado.

"A coordenação de contabilidade não precisará mais controlar pelo extrato bancário. O sistema vai baixar tudo para ela. A ideia é que o controle comece a ser feito por aqui, pelo sistema. Foram três meses de teste, ensaios e ajustes. As formas de pagamentos não serão alteradas, pois são baseadas na resolução do Tribunal", esclareceu Hélcio Petrônio S. Júnior, analista de sistemas do Cedasc.

IMG 2391IMG 2387

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O banco emite diariamente uma relação com a movimentação financeira de todas as cobranças que foram emitidas, identificando pessoas, CPFs, valores e códigos de cobrança. Antes este trabalho era feito manualmente. Agora o banco fará tudo isso. Isso vai garantir uma maior segurança no processo, rapidez, identificação do pagador e integridade das informações desses títulos.

De acordo com o chefe da Audit, Daniel Arruda, o grande desafio para a implantação do sistema de boletos com código de barra era a questão dos valores que o banco cobrava para emissão do documento. "Essa era uma pendência histórica que precisava ser enfrentada e resolvida. Considero um exemplo do resultado de um bom trabalho de equipe que se iniciou em 2016 com o envolvimento de técnicos da Dirad, SEG, Cedasc e Audit. Certamente, tornará mais eficiente e seguro o processo de cobrança dos títulos executórios do TCE/BA”, disse.