Ir para o conteúdo

Autenticação

Ouvidoria vai à Escola orienta público infanto-juvenil sobre seus direitos e deveres

samyllaA Ouvidoria vai à Escola finalizou, nesta sexta-feira (01.09), o roteiro de viagens com visitas às duas escolas da rede pública nos municípios de Santo Antônio de Jesus e Conceição do Almeida (Colégio Estadual Luiz Viana Filho e Colégio Estadual Mandinho Almeida). Entre os dias 28.08 a 01.09, representantes da Ouvidoria e da Ascom do TCE/BA desenvolveram a ação que visa estimular o controle social, fortalecer o exercício da cidadania em oito instituições de ensino. As apresentações atingiram um público-alvo de 277 alunos, professores e membros do colegiado. Em 2017 foram visitadas 29 escolas em diversas regiões do estado.

Nas reuniões com estudantes e professores da rede pública de ensino foi apresentado o vídeo institucional que leva ao conhecimento da sociedade informações acerca das atribuições e competências da Corte de Contas baiana, além de convidar os jovens para o exercício da cidadania e estimular o fortalecimento do controle. Figueiredo distribuiu exemplares das cartilhas “O TCE quer ouvir você” e “Com você a nossa rede é mais forte” e da revista em quadrinho “Você no Controle” e divulgou os canais de comunicação com a instituição, convidando os cidadãos a exercer o controle social e estimulando a participação democrática.

santoDurante a apresentação, o ouvidor mostrou que, para que o trabalho dos auditores seja eficaz e eficiente, é fundamental que o cidadão entenda que o controle da gestão pública é um dever de todos e que eles podem acionar os órgãos de controle externo.

DEPOIMENTOS
“É preciso expor nossa opinião, cobrar com fundamento e documentar tudo o que é possível. Muitas pessoas se acomodam e acham que não dá em nada. Vamos focar na nossa merenda. Estudamos num colégio em tempo integral e 0,35 centavos por aluno é uma piada de muito mau gosto. O Whatsapp da Ouvidoria vai bombar de reclamações”.
Laisa Gabriela Ferreira dos Santos, 14 anos, estudante da 8 série do Colégio Estadual Luiz Viana Filho

“Agora podemos denunciar. E a informação serve para todas as obras na cidade. Sem dúvida que iremos relatar os problemas, como a falta de professor de matemática. Outro problema da nossa escola é que não temos refeitório e comemos no pátio. Imagine quando chove”.
Samylla Karol, 13 anos, estudante da 7 série do Colégio Estadual Luiz Viana Filho

conceicao“Queremos que nossos alunos brilhem, mas para que isso aconteça, eles precisam ter consciência dos seus direitos e deveres na sociedade. Essa palestra trouxe luz e esperança de que eles podem e devem lutar pelos seus sonhos”.
Marilson Carvalho Santos – diretor do Colégio Estadual Mandinho Almeida

“É um trabalho árduo e que todo cidadão deveria se inteirar. Por isso, é obrigação nossa cobrar dos nossos representantes que os recursos retornem. O ouvidor é um semeador e esse trabalho precisa ser mais difundido”.
Margareth Nunes – professora de História do CEMA

“Temos que colocar os estudos em primeiro lugar sempre. E não desistir apesar das barreiras impostas. Já tenho em mente as obras em andamento na minha cidade que posso acompanhar e fotografar”.
Thais Jesus Santos, 15 anos, estudante da 8 série

liderthais