2a5add2f 4dfe 43c3 9223 618fca644e45Estudantes e professores do Colégio Estadual José de Freitas Mascarenhas, localizado em Camaçari, abriram as portas da sala de aula para aprender mais sobre o trabalho e atribuições do Tribunal de Contas do Estado (TCE/BA). A ouvidora adjunta do TCE/BA, Ana Patrícia Crisóstomo Pereira, e o auditor de controle externo junto à Ouvidoria, Juvenal Alves, foram recebidos pela professora de História da instituição de ensino, Ilse Oliveira Mamede Souza de Brito, que abriu um rico espaço de discussões e debates entre alunos.

Vocês sabem qual a função da Ouvidoria e o que significa auditoria? Com esse questionamento, a equipe da Ouvidoria deu início à apresentação do Projeto Ouvidoria vai à Escola, nesta quarta-feira (26.07), para um público formado por estudantes do ensino médio e professores. Ana Patrícia e Juvenal deram um exemplo prático do papel do Tribunal, como acompanhar suas ações e como cobrar uma atuação eficiente da Corte de Contas.

Durante a explanação, a ouvidora levou ao conhecimento da comunidade estudantil a sua missão institucional, além de apresentar produtos de comunicação, como a revista em quadrinhos “Você no Controle”, a cartilha "O TCE quer ouvir você"e o Livro de Ouro, este último lançado nas comemorações dos 100 anos da Corte de Contas, intitulado “Uma breve história do controle – na visão de um Tribunal centenário".

c86e9f1e 7db1 4b47 aa63 07906ac3a5cdOs servidores convidaram cerca de 100 alunos a exercerem o papel de auditores sociais, fiscalizando de perto a aplicação dos recursos públicos dentro e fora da escola. A ouvidora elucidou de que maneira os estudantes podem auxiliar a Corte de Contas baiana na fiscalização dos recursos estaduais, explicou sobre a composição do TCE/BA, os controles existentes e de que forma os estudantes devem entrar em contato com a Ouvidoria. E divulgou o canal do WhatsApp (71) 99902-0166 da instituição, o telefone 0800 2843115 e o site www.tce.ba.gov.br.

"Tivemos a oportunidade de conhecer um exemplo bem-sucedido de gestão educacional. Percebemos o interesse dos alunos em conhecer a instituição e suas competências. Na verdade, não há um conhecimento ainda específico sobre o TCE. E esse trabalho da Ouvidoria evidencia que o Tribunal está imbuído desse propósito de envolver a comunidade estudantil no exercício da cidadania plena e do controle social. Essa parceria da sociedade com o Tribunal é fundamental para uma regularidade dos serviços públicos", destacou Juvenal.

a8918094 eafe 490a bb22 bdbd4116d553A professora de História, Ilse Oliveira Mamede Souza de Brito, deu destaque ao papel pedagógico e orientador da Corte de Contas. "A partir dessa palestra, alunos e professores saem municiados de ferramentas para exercer o controle social. Gostaria que vocês voltassem mais vezes. Precisamos fazer que os nossos alunos se percebam como cidadãos atuantes e que podem fazer a diferença", destacou.

DEPOIMENTOS

"O conhecimento é a chave para uma visão crítica da sociedade. É preciso que essas informações cheguem para todos.Nas minhas aulas, tento desenvolver esse olhar crítico. Fico muito feliz ao identificar um projeto que qualifica nossos jovens a exercerem o controle social".
Kátia Sirlene Dias Gonçalves - professora de Sociologia

"Os alunos conheceram um pouco mais da história do Tribunal e da sua dinâmica. Eles não têm essa vivência e muitos têm o desejo de se tornarem juristas. Nesse sentido, é importante que eles conheçam a história da Bahia, do Tribunal e dos seus direitos e deveres".
Juliana Passos Souza Brito - articuladora de Logística da instituição

"Achei muito relevante a proposta do TCE de sair da sua zona de conforto, aproximando o cidadão da Casa de Controle com um trabalho de formação cidadã.A partir de agora, saberemos como agir. Não tem como culpar apenas a escola. Somos responsáveis também".
Guilherme Kauã Richard - estudante do 2º ano do ensino médio

"A palestrante foi bem interessante para mim, pois almejo prestar vestibular para Administração. Não esperava que uma instituição tão importante buscasse essa aproximação. Eu sei que muitos alunos não se interessam pelo assunto, mas existem as excessões. Quando eles começaram a falar, vi que alguns colegas estavam atentos a cada informação".
Beatriz de Souza Almeida - estudante do 1º ano do ensino médio

"O conteúdo da palestra foi bem informativo, principalmente quando eles falaram que os estudantes podem auxiliar o órgão na fiscalização. A grande maioria não sabia que podia denunciar ou acionar o TCE. Temos uma ideia de que os tribunais são distantes da população. Essa ideia cai por terra para alguns".
Willian Santos Santana - estudante do 1º ano do ensino médio